quinta-feira, 6 de maio de 2010

Memórias do futuro

Viajo no tempo.
Sem traumas.
Com esperança, simplesmente.
Olhando sonhos.
Sentindo os sons.
Move-se aos meus olhos, apenas...
o filme emocional.
Moldado e real à cena de minha memória.
Raramente busco oportunidades.
Resultados?
Dirá das finalidades...quem sabe? No próximo capítulo.
Mais adiante, saberei certamente,
estruturar meu comportamento, ainda sensibilidade.
Por amor, sempre..
.

7 comentários:

  1. Maravilhoso o seu poema! Interessantíssimo.

    ResponderExcluir
  2. É bom ter-me registado aqui, para seguir mais
    um blogue sensível. Virei sempre que possa.
    Obrigada por se ter registado no meu.
    Um grande beijinho/Irene

    ResponderExcluir
  3. Adorei o seu blog, vou seguir com muito prazer.
    Bom fim-de-semama
    bjs
    Maria

    ResponderExcluir
  4. Grato pela sua visita ao meu quintal,volte sempre que quiser.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Passageira, amada!
    Ser minha seguidora 99 (número significativo)chamou minha atenção e vim cá te conhecer. Já estou aqui tb e vejo que meu amigo, Manuel, tb está. Embarco, TÔDENTRO, nessa felicidade e convido para lá no meu/nosso Divã participar.
    Beijuuss de luz n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. PASSAGEIRA,
    Cá estou, retribuindo a viagem que fez ao Azimute, esperando que prossigamos numa partilha agradável.
    Cordialmente,
    J

    ResponderExcluir
  7. FUTURO?
    Na História Natural dos sentimentos
    tudo se transformou.
    O amor tem outras falas,
    a dor outras arestas,
    a esperança outros disfarces,
    a raiva outros esgares.
    Estendido sobre a página, exposto e descoberto,
    exemplar curioso de um mundo ultrapassado,
    é tudo quanto fica,
    é tudo quanto resta
    de um ser que entre outros seres
    vagueou sobre a Terra.

    ResponderExcluir

Passageira em busca da sabedoria.
Porque, somente quem está no amor é sábio, mesmo que não seja letrado e nem arquiteto das palavras.
Carinhosamente e sempre presente, mesmo que ausente.